terça-feira, 31 de maio de 2011

Memorável noite com Pereira da Viola em Brumado

Foi espetacular, como ele mesmo disse: “foi uma coisa astronômica de boa” e ainda nas palavras do próprio Pereira “se melhorar vira rapadura”. Assim resumiu o folclórico locutor Barnabé, a apresentação de Pereira da Viola, na noite da última sexta-feira (13), no salão de eventos da AABB, em Brumado. Pereira entrou no palco fazendo um solo do Hino Nacional, que arrancou o suspiro da platéia. Em seguida, o seu amigo e parceiro, o irmão Dito Rodrigues, entrou em cena, transformando a noite numa poesia ao som da viola mineira. No repertório, musicas já consagradas da raiz sertaneja, canções, óperas internacionais, prosas e versos, com muita musicalidade, de autoria do violeiro. Pereira aproveitou ainda para homenagear o 13 de maio, dia vitória na luta contra o preconceito a e escravidão no Brasil. Durante a apresentação, muitas brincadeiras e ao final da festa, num espírito de confraternização e muita alegria, a plateia foi frente ao palco fazer brincadeiras de roda. Foi um momento de cultura que, ao som de um único instrumento, encantou e uniu os corações, numa noite de sucesso do projeto Viveiro de Cantigas.
Texto: Brumado Notícias

Nessa sexta-feira (13), a noite de viola, do projeto Viveiro de Cantigas, que aconteceu no salão de eventos da AABB, abriu espaço para a exposição de Arte de Dão Barros, que teve suas famosas esculturas expostas, na entrada do salão, arrancando elogios e muita admiração dos amantes da boa arte, que puderam prestigiar: Exposição de cordel, em fatos e fotos, contando a historia do cangaço na 50ª Exposição Cultural, Literária e Fotográfica, apresentada pelo professor de Economia, da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB) de Vitória da Conquista, e Agente da Cultura Popular, Antônio Andrade Leal. O acervo da exposição do cangaço é extenso e mostra a vida de luta nos sertões nordestinos. “Essa é a maior exposição que estou fazendo na defesa da nossa herança cultural e histórica. É um prazer estar aqui na terra do poeta Zé Walter, a quem eu tanto quero conhecer. Agradeço a todos os brumadenses por essa oportunidade de realizar aqui essa exposição”, ressaltou Antônio. Com seu imponente chapéu de cangaceiro, o professor e sua exposição chamaram a atenção do público, rendendo-lhe muitas fotografias.
Texto: Brumado Notícias

O Viveiro de Cantigas vem proporcionando, já há um bom tempo, espetáculos musicais de altíssimo nível para os apaixonados pela música de raiz em Brumado. Desta feita a companhia musical trouxe para o palco da AABB o excepcional violeiro mineiro Pereira da Viola, que hoje é reconhecido como um dos melhores do Brasil e vem se apresentando em vários países do exterior. Ele que na infância era um menino tímido na pequena comunidade rural de São Julião, no Vale do Mucuri, no norte de Minas Gerais, fez com que sua introspecção e seu sentimento melancólico se transformassem num enorme talento musical. Quem esteve presente no salão de eventos da AABB na noite de ontem (13) pode presenciar um momento inesquecível, uma apresentação para ficar guardada na área vip da memória. Pereira da Viola, realmente dispensa comentários, mas, não temos como não nos rendermos ao seu grande talento e a forma única das suas dedilhadas e dos seus acordes transcendentais. Iniciando a sua apresentação com uma magistral execução do Hino Nacional Brasileiro, o artista foi, progressivamente, conquistando o público, tendo momentos de uma verdadeira catarse musical, como a sua versão regionalizada do clássico Bolero de Ravel. (Veja vídeo abaixo). Cantando cantigas consagradas da música brasileira de raiz, Pereira da Viola, deixou um gostinho de “quero mais” e no final de sua apresentação foi aplaudido de pé em reconhecimento ao seu grande talento e sua musicalidade que retrata a essência bucólica de uma região que ainda preserva suas tradições mais antigas.
Texto: Daniel Simurro (97 News)

sábado, 28 de maio de 2011

O Senhor dos Cordéis

Há um pouco mais de cinco anos, o professor Antonio Andrade assumiu mais uma missão na sua sina de educador. Admirador e divulgador da cultura e das tradições nordestinas, o baiano-paraibano-cearense Andrade leva debaixo do braço, para onde vai, uma vasta coleção de cordéis.

Exposições, seminários, shows, feiras, seja na universidade ou mesmo em praça pública, onde houver um espaço para botar uma mesa ou armar uma tenda, lá vai estar Andrade e seus valorosos romances. Os folhetos são espalhados pelas mesas ou pendurados num varal e, seja lá como for, atraem todo tipo de espectador, de crianças a velhinhas.

Na infância ele foi apelidado pela mãe de Tuíca, mas hoje poderia ser chamado de Senhor dos Cordéis! Andrade vai a escolas, a povoados, viaja pela região, sai do estado e leva contigo, além das obras de sua coleção, uma bandeira: precisamos valorizar nossa cultura nordestina, levá-la para as salas de aula, para as crianças, para preservar e perpetuar as tradições dos nossos pais e avós!

Hoje, são mais de mil títulos, centenas disponíveis para venda. A poesia de cordel retrata de tudo: heróis, lendas, mitos, personagens - reais e inventados, é possível conhecer mais sobre Lampião, como também ler um clássico como Dom Quixote. As rimas e as xilogravuras, o humor e o talento dos escritores, a esperteza dos personagens e a valentia dos cangaceiros – tudo isso, e mais um pouco, cabem num folheto de cordel e, mais ainda, nas exposições que Andrade faz por aí...

Se você é de Vitória da Conquista, certamente já se esbarrou com uma dessas instalações ao menos uma vez. Se não, aproveite o início da Vila Junina e do Memorial do Forró, parte da programação do Forró Pé de Serra do Periperi organizado pela Secretaria de Cultura da Prefeitura Municipal, para visitar mais uma das exposições do Tuíca do Cordel, de 10 a 27 de junho na Praça Tancredo Neves.

Andrade, cavaleiro andante dos cordéis
50ª Exposição Literária e Fotográfica de Cordéis, na AABB de Brumado
No povoado do Batuque, uma série de atividades, com exposição de folhetos e palestra
Exposição na Agencia de Desenvolvimento de Conquista
Durante o Cariri Cangaço, no Ceará, em 2010
Estande durante a Exposição Agropecuária de Vitória da Conquista, 2011
Durante a Aula Magna da Uesb (2011), ao lado do professor Tadeu Botelho e
da neta de Lampião, Vera Ferreira
Durante a comemoração do Dia Nacional do Forró, na praça Nove de Novembro, em 2010

Forró Pé de Serra do Periperi

Os festejos juninos de Vitória da Conquista começam no próximo dia 15 de junho e algumas das atrações da praça Barão do Rio Branco já foram divulgadas pela Prefeitura Municipal. A programação da Vila Junina e do Memorial do Forró, na Praça Tancredo Neves (Memorial Régis Pacheco), tem início no dia 10 e segue até o dia 27. Agora é só se preparar para curtir o frio típico da Serra do Periperi e arrastar o pé no forró!

terça-feira, 24 de maio de 2011

Prefeitura sem prefeito

Nessa vida atroz e dura
Tudo pode acontecer
Muito breve há de se ver
Prefeito sem prefeitura;
Vejo que alguém me censura
E não fica satisfeito
Porém, eu ando sem jeito,
Sem esperança e sem fé,
Por ver no meu Assaré
Prefeitura sem prefeito.

Por não ter literatura,
Nunca pude discernir
Se poderá existir
Prefeito sem prefeitura.
Porém, mesmo sem leitura,
Sem nenhum curso ter feito,
Eu conheço do direito
E sem lição de ninguém
Descobri onde é que tem
Prefeitura sem prefeito.

Ainda que alguém me diga
Que viu um mudo falando
Um elefante dançando
No lombo de uma formiga,
Não me causará intriga,
Escutarei com respeito,
Não mentiu este sujeito.
Muito mais barbaridade
É haver numa cidade
Prefeitura sem prefeito.

Não vou teimar com quem diz
Que viu ferro dar azeite,
Um avestruz dando leite
E pedra criar raiz,
Ema apanhar de perdiz
Um rio fora do leito,
Um aleijão sem defeito
E um morto declarar guerra,
Porque vejo em minha terra
Prefeitura sem prefeito.

(Patativa do Assaré)

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Vila da Conquista promove literatura de cordel

Foto: Emanuel Nem Moraes

Que tal conhecer um pouco mais sobre a literatura de cordel? Ao visitar a Vila da Conquista, na Praça Tancredo Neves, você vai encontrar a Casa do Cordel, onde estão expostos mais de 600 títulos, sendo dezenas deles sobre o cangaço. O encontro só é possivel graças à programação do São João Pé de Serra do Periperi, edição 2010, realizado pela Prefeitura Municipal de Vitória da Conquista, por meio da Secretaria de Cultura, Turismo, Esporte e Lazer (Sectel).

A literatura de cordel é um tipo de poesia popular impressa em folhetos rústicos ou outra qualidade de papel, expostos para venda pendurados em cordas ou cordéis, o que deu origem ao nome que veio de Portugal, cuja tradição era pendurar folhetos em barbantes. São escritos em forma rimada e alguns poemas são ilustrados com xilogravuras, o mesmo estilo de gravura usado nas capas. As estrofes mais comuns são as de dez, oito ou seis versos.

Todo o material exposto na Vila da Conquista pertence ao professor de Economia da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Antônio Andrade, que há apenas quatro anos se dedica ao trabalho. O professor acredita que o dom e a paixão pela escrita estão nas veias, pois vem de uma família de poetas.

Para ele, “produzir literatura de cordel é se aproximar e se sensibilizar com as culturas populares nordestinas”, diz. E lembra: “todos devemos ser militantes e guerreiros da cultura popular e não deixar que ela desapareça!”. Quando o assunto é a oportunidade de divulgar seu trabalho na Vila da Conquista, Antônio Andrade é enfático: “o projeto de São João da prefeitura está maravilhoso, com 100% de aprovação pela comunidade. Fico muito feliz fazer aqui a minha 43ª exposição. Espero estar aqui novamente ano que vem e que o próximo São João seja ainda mais bonito”.

Por Mônica Lacerda (Secom PMVC) / Publicada em 29 de Junho de 2010