quarta-feira, 4 de julho de 2012

As Batalhas de Lampião: Serrote Preto

Por Antonio Andrade - publicado no jornal Folha Solta.

Entre as centenas de batalhas enfrentadas por Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião, contra as volantes constituídas por civis e policiais de sete estados do Nordeste, três delas se destacaram pelo número de feridos e mortos e também pela grande quantidade de soldados se comparada à de cangaceiros. Essas batalhas foram a de Serra Grande, no município de Serra Talhada (cidade onde nasceu Lampião), em Pernambuco; a de Serrote Preto, no município de Mata Grande, oeste de Alagoas; e a terceira batalha foi na Fazenda Maranduba, no sertão de Sergipe.

Lampião é reconhecido pelos seus atos heróicos e epopéicos de bravura. Segundo o historiador britânico Eric Hobsbawn, em seu livro "Bandidos", Lampião foi o maior bandoleiro do ocidente.

Em Serrote Preto, em fevereiro de 1925, o bando de Lampião era composto por 40 cangaceiros, entre eles dois irmãos de Virgulino, Antonio e Livino Ferreira. Já na volante formada por policiais da Paraíba e de Pernambuco havia 90 homens, inclusive três oficiais (tenentes). Os números oscilam nos livros que registram os combates, estes citados estão no livro "De Virgulino a Lampião", escrito por Antonio Amaury e Vera Ferreira, neta de Lampião.

As forças policiais já estavam no encalço dos bandoleiros desde as cidades pernambucanas de Custódia, Buíque e Águas Belas. Quando chegaram em Mata Grande, o cangaceiros já haviam atacado a cidade, deixado dois mortos, vários feridos e casas incendiadas. Devido a resistência policial e da população local, o bando seguiu em retirada para a divisa com Pernambuco e se alojou na sede da Fazenda Serrote Preto.

A partir de informações da população, a volante partiu em direção à fazenda e localizou os bandoleiros no final da tarde. Eles estavam descansando e alguns jogavam cartas, estes perceberam a aproximação da polícia e começaram a despejar uma chuva de bala. A tropa foi massacrada em uma verdadeira chacina. Segundo Rodrigues de Carvalho, em seu livro "Serrote Preto", foram quinze soldados mortos e três bandoleiros (Asa Negra, Guri e Corró). No livro "De Virgulino a Lampião", diz que foram dez soldados e dois oficiais mortos, mais 30 feridos.

Os oficiais mortos foram Francisco de Oliveira e Joaquim Adauto. O terceiro tenente, João Gomes, sobreviveu e bateu em retirada com seus subordinados.

Livros citados

Nenhum comentário: