segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Conheça o grupo "A rainha e os vaqueiros"



Gibão, perneira, peitoral, chinelo e chapéu de couro. Este é o figurino do grupo A Rainha e os Vaqueiros, que vem realizando shows por onde passa usando o aboio como forma de retratar os sons e ritmos cearenses, intercalados com contos, ‘causo’, versos, poesias, toadas, trechos de cordéis e músicas de Luiz Gonzaga. Mas o figurino não é cênico, é a vestimenta que os artistas usam no dia a dia. Afinal, são vaqueiros-aboiadores, que durante anos de cavalgada já cantaram com Manoel Messias, Padre Tula, Fagner e em especial com o Rei do Baião.

O grupo, que tem como rainha Dina Martins, a Mestre da Cultura “Dona Dina”, mergulhou no universo da cultura dos vaqueiros e após um longo tempo de pesquisa oral, criou o show “Aboios – O Som do Sertão”. Serão seis apresentações até o final do ano em cinco cidades: Quixadá (17/11), Sobral (04/12), Crato (07/12), Fortaleza (13 e 14/12) e Canindé, em data a ser confirmada.

O show - Ao som de chocalhos, entra no palco Chico Water representante dos vaqueiros. Em meio à poesia, convida os seus amigos e companheiros de luta, os vaqueiros-aboiadores, Hidelbrando, um mestre na sanfona e o seu regional de zabumba e triângulo. Juntos, interpretam a música de abertura.

Em seguida entra Dona Dina, que completa a cena para uma sequência de dez músicas, sendo fruto de uma pesquisa sobre o cancioneiro popular dos vaqueiros-aboiadores, baseadas em suas vivências e em poesias que admiram em especial, do Rei do Baião, Luiz Gonzaga.

O show não se prende apenas ao roteiro musical. Os aboiadores artistas utilizam o improviso e interagem com o público, deixando evidente uma das propostas do grupo, que é de preservar o caráter natural do homem do campo.

A AVABOCRI e o PROJETO - A Associação dos Vaqueiros, Boiadeiros e Pequenos Criadores da Microrregião dos Sertões de Canindé (AVABOCRI), fundada por Dina Martins, desenvolve um trabalho há mais de 40 anos de resgate, preservação e valorização da cultura dos vaqueiros. Estes vêm se apresentando livremente desde 1971, quando aconteceu a primeira missa dos vaqueiros, dentro da programação da maior festa franciscana da América Latina, que é a Festa de São Francisco das Chagas de Canindé. Atualmente a Associação tem 350 sócios.

“ABOIOS – O Som do Sertão” começou em 2007, quando a primeira versão deste projeto da AVABOCRI foi vencedora do III Edital de Incentivo as Artes, na área de música - categoria montagem de show, da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (SECULT). Pela primeira vez na história cearense era realizado um show musical composto somente por vaqueiros–aboiadores, tendo sido apresentado no Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura (Fortaleza), no Festival de Música da Ibiapaba (Viçosa do Ceará) e na Festa de São Francisco das Chagas de Canindé, para um público superior a 400 mil pessoas.

Em 2012, como vencedor do Edital Mecenas na área de música para a circulação do show e ampliação, com o patrocínio da Coelce, o projeto ressurge renovado, com novo espetáculo e abrindo caminho também para a formação de jovens e adolescentes por meio da inclusão digital.

Para o novo show, o grupo continuou com a pesquisa musical, focando nas canções de Luiz Gonzaga. Foi também a oportunidade de homenagear o Rei do Aboio e do Baião, representante maior desta cultura. Neste processo, nasce o desejo de fazer uma homenagem àquele que conseguiu transformar dor em alegria, música em poesia e que foi o expoente maior do sertão. O show tem direção geral de Fernanda Gomes e direção de arte de Clébio Viriato.

(Fotos: Festival de Ibiapaba)

Um comentário:

LINDA SUSAN de Almeida Araújo disse...

Para acrescentar... vocês sabiam que o chapéu do vaqueiro tem origem judaica? Ele te a base igual ao kipar. Na Paraíba foi feita uma pesquisa sobre os chamados "judeus paraibanos" no sertão.
Abcs
Linda.